arrow Voltar

Inteligência Artificial: como as empresas podem aplicar essa tecnologia

Discussões sobre inteligência artificial (IA) costumam trazer sentimentos diversos. De um lado, há quem tenha medo de que o desenvolvimento da área traga uma perda de empregos em massa. Do outro, há aqueles que se empolgam com as possibilidades trazidas por essa tecnologia. Mas, para além da especulação, o fato é que a inteligência artificial, […]

24 de fevereiro de 2021 6 min de leitura
time

Artigo atualizado 24 de fevereiro de 2021

Discussões sobre inteligência artificial (IA) costumam trazer sentimentos diversos. De um lado, há quem tenha medo de que o desenvolvimento da área traga uma perda de empregos em massa. Do outro, há aqueles que se empolgam com as possibilidades trazidas por essa tecnologia.

Mas, para além da especulação, o fato é que a inteligência artificial, que pode ser definida  como um campo da ciência da computação voltado à criação de máquinas capazes de pensar e de aprender, é um dos acontecimentos tecnológicos mais importantes da história.

Um dos ambientes em que a IA conquista espaço é o meio corporativo: as máquinas inteligentes trazem diversas possibilidades para empresas, como automação de tarefas, análise de dados e processamento de linguagem natural, só para citar algumas. Pode-se dizer que suas aplicações em negócios avançaram tanto que muitas vezes fazemos uso delas sem nem mesmo notar.

Neste artigo, explicamos o que é inteligência artificial e como as empresas podem aplicá-la. Também trazemos um panorama das startups de inteligência artificial brasileiras e mostramos como os negócios têm aproveitado essa tecnologia para ganhar eficiência. Boa leitura!

O que é inteligência artificial e como é utilizada pelas empresas?

A inteligência artificial consiste em um campo da ciência da computação que foca em criar máquinas que têm capacidade de pensar e de aprender. O conceito é amplo e tem diversas aplicações práticas, como:

  • Machine learning, ou aprendizado de máquina, que é a capacidade de computadores programados analisarem dados e predizerem o comportamento de sistemas complexos com base na observação de padrões;
  • Deep learning, método de machine learning em que o aprendizado é feito de maneira iterativa a partir de redes neurais em camadas sucessivas, projetadas para emular o funcionamento do cérebro humano. Dessa forma, os computadores podem lidar com abstrações, generalizar casos específicos e articular problemas mal definidos de forma intuitiva.
  • Processamento natural de linguagem, que diz respeito à interação entre computadores e a linguagem humana, permitindo que máquinas aprendam, analisem e entendam textos e áudios;
  • Visão computacional, que permite que computadores obtenham significados e informações relevantes de imagens, vídeos e outros formatos, de forma semelhante à humana.

Dentre empresas, podemos constatar o uso de inteligência artificial em três principais domínios:

  • Estratégico: é quando negócios usam a inteligência artificial para obter insights melhores, como estimativas de mercados;
  • Pessoas: consiste em aumentar a capacidade produtiva da empresa, usando a tecnologia para permitir que os colaboradores executem tarefas com mais rapidez;
  • Processos: ocorre quando a inteligência artificial proporciona a execução de tarefas e processos de forma autônoma, simulando a tomada de decisão humana, por exemplo.

Webinar – Inteligência Artificial: barreiras a serem superadas

Neste webinar desmitificamos o tema, abordar os mitos e verdades sobre a complexidade de implantação do projeto e também apresentar os casos práticos em grandes corporações.

Nosso convidado e expert em IA, Salomão Filho, fala de como funciona a implementação da Inteligência Artificial em grandes empresas. Para a Stradigi AI, a tecnologia é capaz de solucionar uma série de problemas comuns em grandes empresas como: crescimento da receita, redução de custos, mitigação de riscos e previsão para funções de negócios, como vendas, marketing, RH, finanças, operações e logística.

Qual o panorama do mercado de inteligência artificial no Brasil?

A inteligência artificial é o foco de atuação de 702 startups brasileiras, conforme dados do Distrito Inteligência Artificial Report

No levantamento realizado pelo Distrito Dataminer, as startups foram divididas em duas categorias: Setores, que inclui negócios que oferecem soluções de IA especializadas, que buscam impactar um segmento específico, como varejo e educação; e Funções, que são aquelas que oferecem serviços e produtos para diversos segmentos ao mesmo tempo. 

As startups da categoria Setores são 479 e atendem, principalmente, a área da saúde e biotecnologia, seguida por RH e gestão de pessoal, indústria 4.0, agricultura e comida, serviços financeiros, regulação e compliance, varejo multicanal e logística e transporte.

Já na categoria Funções são 233 empresas, categorizadas como AlaaS (34,1%), que oferecem Inteligência Artificial as a service; Business Intelligence & Analytics (30,9%), plataformas de gestão de dados e inteligência de mercado; chatbots (19,3%); cibersegurança (9,4%); e, por fim, sistema de recomendação (6,3%), tecnologia de recomendação automatizada de produtos e serviços e previsão de comportamentos de clientes.

A distribuição geográfica é outro dado que chama atenção. A maioria das startups de IA estão concentradas nas regiões Sudeste (70,2%) e Sul (22,5%). As restantes se distribuem pelo Nordeste (3,7%), Centro-Oeste (3,2%) e Norte (0,3%). Apenas o estado de São Paulo sedia 51,9% do total das startups desse segmento, seguido pelos estados de Minas Gerais (9,4%) e Rio de Janeiro (8,1%).

O estudo traz ainda startups que são destaque no setor, usando um algoritmo que considera número de funcionários, faturamento, funding captado e métricas de redes sociais.  São elas: RD Station, Cortex, Revelo, Unico, Take, Neoway, Zenvia, Clearsale, Semantix e Solinftec.

Outra lista, focada em negócios promissores, leva em consideração as startups que têm tido ritmo de crescimento acelerado, analisando aportes recebidos e visibilidade em redes sociais. São elas: Rebel, InLoco, Quod, Escale, Agrosmart, Konduto, idwall, Pitzi, CyberLabs, Amaro, Hands e Olivia.

Investimentos recebidos por startups de inteligência artificial brasileiras

Dentre os dados apresentados no levantamento realizado pelo Distrito Dataminer, chamam atenção também os números referentes aos investimentos recebidos pelas startups de inteligência artificial.

Desde 2012, negócios voltados a soluções de IA captaram 839 milhões de dólares, por meio de 274 rodadas, com o ano de 2020 sendo o recordista em volume de investimentos — foram 365 milhões de dólares em 44 aportes. A maior rodada ocorreu em setembro do ano passado, quando a Unico (antes Acesso Digital) recebeu um aporte de US$ 109 milhões da General Atlantic e SoftBank. 

Dentre as 274 rodadas, os estágios pré-seed e seed foram os mais recorrentes, com 61 e 121 aportes, respectivamente. Em seguida estão as rodadas séries A (44) e séries B (22). Só uma rodada séries D foi realizada entre startups de IA, quando a RD Station (à época Resultados Digitais) recebeu US$ 50 milhões da Riverwood Capital e Redpoint Eventures.

Aquisições no ecossistema de startups de IA

O relatório do Distrito mostra também que o ecossistema de startups de IA é fértil quando o assunto são fusões e aquisições. Empresas tradicionais, como Grupo WEG e Kroton, estão interessadas nesse tipo de negócio inovador. Startups de maior porte também têm adquirido negócios de IA.

Veja na tabela abaixo as principais startups de IA que foram vendidas, o valor da transação e as adquirentes.

Como grandes empresas usam inteligência artificial?

Se você leu até aqui, pode estar se perguntando: mas como grandes negócios usam a inteligência artificial na prática, no dia a dia? Trazemos abaixo alguns casos de sucesso para você conhecer.

Oi

Quem assina algum serviço da Oi certamente já falou com a Joice, inteligência artificial da operadora criada pela empresa para melhorar o relacionamento com os consumidores. Ela está ativa em canais como WhatsApp e site da Oi, e ajuda a pagar contas, resolver problemas com celular e internet e recarregar o celular.

Tesla

A Tesla é outro grande nome do mercado que investe em IA. O foco da fabricante de carros elétricos são os processadores para veículos. Os objetivos são ambiciosos, como dormir enquanto o veículo leva o motorista ao destino digitado. No entanto, a empresa não é a única nessa corrida tecnológica, que também conta com interessados do Google e da Uber, todos em busca do carro 100% autônomo. 

Amazon

A assistente virtual Alexa, desenvolvida pela Amazon, é um dos usos de inteligência artificial por empresas mais conhecidos do mercado. Ela interage por meio de voz, reproduz músicas, faz listas de afazeres, define alarmes, pede um carro por aplicativo e ajuda a pedir o jantar. Também pode ser integrada a equipamentos da casa, permitindo, por exemplo, ligar as luzes ou eletrodomésticos.

Vale lembrar que o uso de inteligência artificial não fica restrito a grandes negócios. Principalmente por meio de parcerias com startups como as que citamos neste artigo, é possível aproveitar os benefícios dessa tecnologia em empresas de qualquer tamanho e segmento.

Futuro da inteligência artificial

A inteligência artificial já é uma realidade. Ainda assim, há muito o que se desenvolver nesse campo. Dentre as discussões que fazem parte da área está a questão ética, por exemplo. 

É preciso levar em conta os riscos trazidos pela IA, já que ela impacta diversos setores da economia e pode ser prejudicial para a privacidade de dados pessoais e comportamentais, usados para treinar a inteligência. É preciso entender que a inteligência artificial nunca é totalmente descolada da ação humana, implementando boas práticas e fomentando discussões sobre o tema. 

Para o futuro, também é possível apontar uma normalização da inteligência artificial. Cada vez mais ela deixa de ser tendência e faz parte do cotidiano. Hoje não há um setor em que a tecnologia não seja usada. 

Além disso, a inteligência artificial cada vez mais deve desempenhar um papel de lidar com gestão e análise de dados, fazendo com que bancos de dados tenham um grande valor estratégico. Com dados suficientes e de qualidade, é possível fazer análises preditivas e prescritivas, e não somente descritivas, o que auxilia na resolução de problemas. 

Gostou desse artigo? Quer se aprofundar ainda mais no tema? Então faça o download gratuito do Distrito Inteligência Artificial Report 2021. São 60 páginas de conteúdo denso sobre o ecossistema brasileiro de startups de Inteligência Artificial. Além disso, o levantamento traz cases, entrevistas, estatísticas, tendências e rankings. Baixe agora!

Posts recomendados

Acesse o blog arrow