arrow Voltar
Pantys: Marca brasileira de calcinhas é sinônimo de tecnologia e inovação

Pantys: Marca brasileira de calcinhas é sinônimo de tecnologia e inovação

No Brasil, quatro bilhões de absorventes são jogados fora todo ano. Some isso a um cenário enorme de pobreza menstrual, no qual 4 milhões de meninas não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas, segundo a UNICEF. Foi de olho nesses dados que as empreendedoras Duda e a Emily, fundadoras da Pantys, […]

8 de março de 2022 5 min de leitura
time

Artigo atualizado 8 de março de 2022

No Brasil, quatro bilhões de absorventes são jogados fora todo ano. Some isso a um cenário enorme de pobreza menstrual, no qual 4 milhões de meninas não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas, segundo a UNICEF. Foi de olho nesses dados que as empreendedoras Duda e a Emily, fundadoras da Pantys, se inspiraram para criar a primeira marca de calcinhas absorventes laváveis do Brasil, em 2017. 

Em apenas 5 anos de existência o produto têm sido um verdadeiro sucesso ao combinar tecnologia, design e sustentabilidade: segundo a empresa, o uso de Pantys, ao longo de um ano, representaria uma economia de cerca de 400 absorventes descartáveis, o equivalente a quatro quilos de lixo – que levariam 400 anos para se decompor.

Seu portfólio inclui ainda  20 modelos de calcinhas, uma linha praia com biquínis e maiôs absorventes, uma linha fitness Pantys Gym, sutiã absorvente para amamentação e cueca absorvente para homens transexuais.  

Mais do que o sucesso do seu produto, a Pantys tem um poder forte de marca que envolve ativismo, presença digital e outras estratégias que apresentaremos mais adiante.

Da ideia inicial aos primeiros desafios

Maria Eduarda cresceu em Sorocaba, no estado de São Paulo, se formou em  Economia e trabalhou por alguns anos em uma Boutique de mercado financeiro. Seus pais eram donos de uma confecção de lingerie. 

Emily nasceu em Alexandria, Virginia, nos Estados Unidos. Filha de um engenheiro e uma  educadora. Formada em engenharia química,  trabalhou por muitos anos 

em uma consultoria com foco em saúde. 

Emily casou com o tio de Eduarda e ambas decidiram iniciar em 2016 um projeto próprio de lingerie porque a família de Eduarda já tinha experiência nesse mercado no Brasil.

Um ano depois, a vontade de voltar o negócio para criar impacto bateu forte. E a ideia de criação da marca veio de dois insights de Emily após uma de suas viagens aos EUA: 

1- Não existia um mercado de calcinhas absorventes no Brasil.

2- No país, há uma maior oferta e procura por absorventes externos e apenas uma pequena parte é reservada a absorventes internos. Nos EUA é o contrário – o que traz a hipótese de que mercado de calcinhas absorventes seria maior.

Após muita pesquisa e a visão de como o produto poderia impactar positivamente o mercado e a sociedade, elas tiveram que lidar com a primeira dificuldade da jornada: provar o produto. Como a ideia da Pantys consistia em trazer um produto inédito para o país, seria muito difícil atrair investimentos para um mercado que não existia.

Estratégias de crescimento

Mesmo sendo uma empresa jovem, a estratégia de crescimento da Pantys já se comprovou eficiente, apresentando taxa de evolução por volta dos 30% em seus primeiros anos de atividade. Os principais motivos para esse sucesso foi a extensa pesquisa de mercado antes do lançamento da marca, aliado a uma tecnologia inovadora que ainda não havia sido explorada no país voltado para um público que tinha suas dores negligenciadas.

Segundo as fundadoras, a aceitação do produto pelo público foi surpreendente: o estoque que estava planejado para durar por três meses foi esgotado em três semanas.

Omnichannel

Apesar de ser uma marca nativa digital, atualmente a Pantys também está presente fisicamente em duas lojas físicas: uma na rua Oscar Freire e outra no Shopping Morumbi, ambas em São Paulo. No entanto, sua estratégia de omnicalidade não se limita por estar tanto no aspecto online quanto físico: junto com a marca, surgiu uma plataforma que proporciona o compartilhamento de experiências e conteúdos sobre esse assunto que até hoje ainda é considerado tabu na sociedade.

A marca disponibiliza dois portais: um voltado para o autoconhecimento e compreensão do ciclo menstrual, e outro focado na independência financeira de mulheres. Esses conteúdos são divulgados pela marca e elaborados em parceria com especialistas de cada área, como médicos ginecologistas, endocrinologistas e consultores financeiros. 

Além disso, suas redes sociais como Twitter, Instagram e YouTube também funcionam com o viés educacional, exponencializando o acesso a esse tipo de conteúdo. Paralelamente, a abordagem de marketing através de influencers está constantemente buscando fomentar discussões sobre o corpo feminino. Dessa maneira, a marca também se torna lar de uma comunidade que se mostra cada vez mais disposta a se filiar a empresas que se preocupem e auxiliem no processo de autoaceitação e autoconhecimento.

Sustentabilidade

Por si só, as calcinhas absorventes da Pantys já nasceram com o objetivo de diminuir a poluição causada por outros tipos de produtos que são mais utilizados no mercado. Para além disso, a marca está também sempre na busca de reduzir seu impacto ambiental, por isso, além de vegana, sua produção é clinicamente testada, possui carbono neutro, e desde 2020 as calcinhas são elaboradas com um tecido tecnológico que é biodegradável e se decompõe em até três anos.

Pantys: Marca brasileira de calcinhas é sinônimo de tecnologia e inovação

Paralelamente, as embalagens unitárias de seus produtos são feitas de papel que se degrada em seis meses, e desde 2020, houve uma redução de 20% do plástico em embalagens que ainda não são feitas inteiramente de papel. Para solucionar esse problema, a Pantys estabeleceu parceria com a Eureclico, que realiza a compensação ambiental desse material.

Diversidade

Desde o início, a marca já surgiu quebrando estereótipos usuais de marcas de roupas íntimas: em todas as suas campanhas, as modelos fotográficas variam de cor, tamanho e tipo de corpo. Unido ao valor da empresa de ser um produto voltado para uma área negligenciada, esse impacto inicial de inserir mulheres com os mais diversos biotipos já impressionou o público.

E apesar de ser uma marca de calcinhas absorventes, a Pantys não se limita ao público feminino. Em 2021, foram desenvolvidas cuecas absorventes para atender a homens trans e pessoas não binárias. A Pantys então se tornou uma das primeiras marcas de produtos de menstruação a desenvolver produtos para  esse tipo de comunidade, que até então era obrigada a utilizar absorventes com embalagens e campanhas estereotipadamente femininas.

Essa preocupação com a diversidade também reflete no quadro de colaboradores da empresa, que é composto majoritariamente por mulheres (91,7%), e com um décimo de funcionários que se declararam fazer parte da comunidade LGBTQIA+.

Expansão Internacional

Em outubro de 2021, a marca decidiu expandir geograficamente sua área de atuação e fundou suas primeiras lojas físicas fora do país. As localidades selecionadas foram a Galeries Lafayette, em Paris, e a Oxford Street, em Londres. Enquanto a loja não inaugura seu e-commerce a nível internacional, o resto do mundo pode ter acesso aos produtos através de sites parceiros, como Zalando, Amazon, AboutYou, Selfridges, Sancho’s, Otto.de e Kaufland.de.

A Pantys tem uma vantagem competitiva no mercado internacional por ser a única marca de calcinhas a ser clinicamente testada no mundo. Segundo a fundadora Emily Ewell em entrevista à revista Exame, os planos são de se tornar uma referência global: “Nosso maior objetivo é unir tecnologia e sustentabilidade em produtos confortáveis e modernos, conseguindo expandir o segmento para o mundo, competindo com as melhores marcas globais”.

NFT

Disrupção já é uma característica inata da marca, e por isso não foi surpresa quando a Pantys revelou ser a primeira marca de lingerie do mundo a se lançar no mercado de NFT. Inspiradas por outros grandes nomes do mundo fashion como Gucci, Burberry, Nike, Karl Lagerfeld e Gap, a empresa busca trazer experiências inovadoras para a comunidade no canal digital.

Para a marca, essa é uma oportunidade de interagir com a comunidade artística e também com seu público de maneira única, além de também gerar impacto ambiental positivo de forma instantânea. Atrelado ao movimento de NFT, a empresa está utilizando essa ferramenta para combater a pobreza menstrual, e para cada transação realizada no marketplace de NFT, a marca irá doar uma calcinha menstrual.

Segundo comunicado no site da empresa, o objetivo de médio e longo prazo é criar “social impact NFTs” com coleções limitadas e parte do lucro revertido em doações”. Além disso, todos os NFT’s da Pantys serão carbono neutro, uma vez que elas serão calculadas com base no consumo de energia da rede Ethereum e no gás médio utilizado por transação.


Leia também: Startup Alice promove disrupção de modelos tradicionais de planos de saúde


Posts recomendados

Acesse o blog arrow