arrow Voltar
Por que o SoftBank está lançando um curso em São Paulo focado em ciência de dados?

Por que o SoftBank está lançando um curso em São Paulo focado em ciência de dados?

Recentemente o conglomerado japonês de telecomunicações SoftBank lançou o Data Science for All, programa voltado para treinar, capacitar e contratar talentos especializados em ciência de dados e inteligência artificial (IA) na América Latina. O curso terá sede em São Paulo, com aulas remotas também em cidades como Buenos Aires (Argentina), Bogotá (Colômbia) e Cidade do […]

13 de fevereiro de 2020 3 min de leitura
time

Artigo atualizado 13 de fevereiro de 2020

Recentemente o conglomerado japonês de telecomunicações SoftBank lançou o Data Science for All, programa voltado para treinar, capacitar e contratar talentos especializados em ciência de dados e inteligência artificial (IA) na América Latina. O curso terá sede em São Paulo, com aulas remotas também em cidades como Buenos Aires (Argentina), Bogotá (Colômbia) e Cidade do México (México).

Os colombianos já tinham recebido um programa bem semelhante a esse, que contou com mais de 10.000 inscrições e 300 formados. E, agora, é a vez do Brasil ser palco desse tipo de curso.

Para entender melhor a estratégia por trás da iniciativa, o Distrito conversou com André Maciel, sócio do SoftBank e líder das operações brasileiras de investimento. “É um curso muito específico, que aborda desde uma skill em cloud computing até em como colocar isso num mundo focado em dados. A grade curricular vai de pensamento crítico e alfabetização de dados até machine learning e IA”, comenta. 

SoftBank fortalece presença no Brasil

É preciso recapitular um pouco da estratégia do SoftBank no país e na América Latina durante os últimos anos. O grupo já investiu em centenas de empresas e hoje é um dos principais nomes do Venture Capital. Além disso, em 2019, o SoftBank lançou o Innovation Fund, um fundo de US$ 5 bi para investimentos em startups da América Latina.

Portanto, algo é bem evidente: o conglomerado japonês está de olho na região e, principalmente, no Brasil. Desde o seu primeiro investimento, o SoftBank investiu em nove empresas brasileiras, somando mais de US$ 3 bi.

Em nosso estudo Os Maiores Gestores de Venture Capital no Brasil você tem acesso a uma análise profunda da atuação do SoftBank no país, com gráficos que evidenciam os investimentos, setores e startups que receberam os aportes do grupo.

Na imagem, o estudo Os maiores gestores de Venture Capital no Brasil

O porquê do SoftBank criar o programa Data Science for All

Ao olhar para o cenário de inovação, tanto no Brasil quanto em outros países da América Latina, percebemos o quanto o SoftBank está apostando na região. O programa Data Science for All é outra forma de investimento .

Verificando o portfólio de empresas investidas pelo conglomerado japonês – como é o caso da 99, Loggi, Banco Inter, Gympass – salta aos olhos a necessidade de mão de obra qualificada, principalmente em áreas como IA e desenvolvimento de softwares, entre outras. Afinal, com o uso crescente de análise de dados em diversos setores, estamos percebendo uma alta demanda  por profissionais qualificados e muitas dessas vagas acabam não sendo preenchidas.

O SoftBank está de olho nesse problema que afeta ativos estratégicos do grupo. “Estamos muito empolgados com a região e com as nossas investidas. Temos um problema para achar talentos qualificados em ciência de dados e inteligência artificial para compor e fazer parte de nossas companhias. Estudamos muito para fazer esse curso e queremos recuperar o investimento indiretamente com alguns desses profissionais vindo pras nossas empresas e estando disponíveis para o nosso ecossistema”, afirma Maciel.

Quer ficar por dentro das principais notícias e tendências da inovação aberta? Assine as nossas newsletters!



Entenda mais sobre o curso Data Science for All

Criado em conjunto com a plataforma de treinamentos Correlation One, o curso Data Science for All conta com docentes de instituições americanas, como Harvard, Massachusetts Institute of Technology e Stanford. Além disso, o programa conta com a parceria da Microsoft e do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Com duração de 11 semanas, as aulas serão às sextas e sábados, das 8h às 18h. O curso será ministrado ao vivo por um instrutor, em inglês, e conta com estudos de casos, conteúdo teórico, prático e exercícios.

Com custo que vai de US$ 5 mil a US$ 7,5 mil, o curso pode ser também custeado pelas próprias empresas que veem a oportunidade de qualificar determinados profissionais. “Há uma busca enorme, porém poucos profissionais qualificados nessa área no Brasil. Com isso, as empresas estão competindo muito entre si”, analisa André, ressaltando a importância de contribuir pela capacitação da mão de obra local. 

Os maiores gestores de Venture Capital no Brasil

O estudo Os Maiores Gestores de Venture Capital no Brasil mapeia os 92 gestores de VC do Brasil por meio de gráficos, análises, estatísticas e tabelas comparativas que trazem dados sobre a atuação dos maiores fundos de investimento que atuam no país.

Posts recomendados

Acesse o blog arrow