arrow Voltar
Banco ABC Brasil investe na expansão de produtos e serviços e em inovação tecnológica

Banco ABC Brasil investe na expansão de produtos e serviços e em inovação tecnológica

O Banco ABC Brasil (ABCB4) foi fundado em 1989 e atua principalmente como intermediador de operações que envolvem análise e concessão de crédito para empresas de médio a grande porte. É habilitado a operar nas carteiras comercial, financeira, de investimentos, de crédito imobiliário, câmbio e comercialização de energia. Está listado no Nível 2 de Governança […]

18 de novembro de 2021 4 min de leitura
time

Artigo atualizado 18 de novembro de 2021

O Banco ABC Brasil (ABCB4) foi fundado em 1989 e atua principalmente como intermediador de operações que envolvem análise e concessão de crédito para empresas de médio a grande porte. É habilitado a operar nas carteiras comercial, financeira, de investimentos, de crédito imobiliário, câmbio e comercialização de energia. Está listado no Nível 2 de Governança Corporativa da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), onde suas ações preferenciais são negociadas desde 2007. Estruturado como um partnership de gestão local, ainda conta com o suporte de um controlador internacional, o Arab Banking Corporation. Em 2020, foi reconhecido como ‘Melhor Prática e Iniciativa de Relações com Investidores Small/Middle Cap’ pelo APIMEC — IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores).

Nos últimos anos, Banco ABC Brasil investiu na ampliação do seu portfólio de produtos e serviços para atender às necessidades dos seus clientes corporativos e respectivos funcionários — neste último caso, com a vertical de negócios Personal, que fornece aos colaboradores as mesmas opções de investimento disponíveis para empresas. Aliás, de maio a julho de 2021, o banco deu início à oferta de crédito consignado privado aos seus funcionários, que puderam acessar, simular e contratar o produto online, quando os processos e sistemas desenvolvidos entre dezembro de 2020 e abril de 2021 foram testados com sucesso.

Também investiu pesado em tecnologias bancárias para acompanhar a onda de transformação digital do mercado. O ABC lançou produtos como o Credit to Enterprise, solução de crédito 100% digital para marketplaces, e a plataforma Celeris, baseada em nuvem, que automatiza todo o processo de negociação de precatórios advocatícios. ‘Estamos em um ritmo forte nas frentes de inovação aberta e intraempreendedorismo, no qual nos estruturamos como uma venture builder para criar outros produtos e fontes de receita, que podem até se tornar novas unidades de negócio’, explica Fábio Neufeld, head de corporate venture e soluções para fintechs da organização. ‘Naturalmente, esse processo modelará e atrairá soluções com parceiros digitais, de qualquer segmento. Não vamos desviar o foco do nosso core, mas teremos um portfólio mais amplo, construído de acordo com as demandas do mercado’, completa Fábio.

Na esteira dessa estratégia de diversificação do portfólio de produtos, o ABC abriu as operações de sua corretora de seguros, focada inicialmente em Seguro Garantia, linha diretamente ligada à análise de crédito corporativo e complementar à oferta corrente de Garantias Prestadas do banco; Seguro Prestamista, seguro de vida de acionistas de referência para empresas; e Capital Global, seguro de vida em grupo. O plano de negócios da ABC Brasil Corretora ainda inclui a expansão gradual para outras linhas de seguro ao longo dos próximos meses.

Com pouco mais de um ano de atividades e a princípio voltada para operações de antecipação de contratos e negociação de energia, a Comercializadora de Energia do Banco ABC já apresentou uma expansão de 290% no número de contrapartes e de 340% na quantidade de transações, na comparação do segundo trimestre de 2021 com o primeiro. Depois de apenas três meses, uma parceria com o Banco Inter no mercado de capitais já mostrou resultados promissores. Entre eles, uma participação conjunta em três emissões de debêntures, que somam R$ 2,6 bilhões, dos quais R$ 1,5 bilhão em debêntures incentivadas de infraestrutura distribuídas a pessoas físicas, um dos pilares da parceria. Por fim, o Banco ABC continuou com seu plano de ampliação do ABC Link, iniciativa baseada na distribuição de serviços financeiros através de escritórios parceiros, utilizando a figura do correspondente bancário.

Para auxiliar na conexão com startups e desenvolvimento de todos esses projetos, o Banco ABC Brasil fechou parceria com o Distrito, que atualmente reúne cerca de 700 startups residentes em seu programa de aceleração contínua e uma base com mais de 30 mil startups catalogadas. Gustavo Araújo, CEO do Distrito, destaca que ‘o Banco ABC Brasil vem se consolidando em termos de inovação corporativa e está preparado para dar um passo importante na conexão com startups, especialmente para fortalecer as relações comerciais de ambas as empresas, e não apenas do Banco’. A parceria terá duração de dois anos e permitirá ao ABC acessar os relatórios de análise de mercado, a base de startups e a rede de mentores do Distrito, por meio da qual formará um conselho de inovação.

Neste ano, o ABC ainda criou o Startek, programa de inovação tecnológica que tem como objetivo facilitar a conexão da organização com startups e solucionar os seus desafios internos. Os desafios dessa primeira edição do Startek foram divididos em três categorias, de acordo com o prazo de conclusão dos projetos: a now (curto prazo), focada na melhoria de processos ou produtos já existentes; a next (médio prazo), que buscará a criação de novos produtos especialmente relacionados ao open banking; e a new (longo prazo), que visa a exploração e a experimentação de novos modelos de negócio, em particular o da tokenização de ativos. Até agora, o Banco ABC selecionou três startups, uma para cada vertical de negócios, que ainda deverão detalhar suas propostas e passar por provas de conceito.

Pedro Begotti, superintendente de novos negócios do Banco ABC Brasil, comenta que ‘o programa está ligado a outras iniciativas para transformar a organização por meio de negócios digitais e de acordos que nos levem a um crescimento exponencial a médio prazo’. Segundo ele, a conexão com o mundo tech aproxima uma instituição financeira com mais de quarenta anos de tradição de startups jovens e promissoras: ‘É um caminho para potencializar os negócios dos dois lados: banco e startup’. Os executivos da instituição afirmam que este ano reserva grandes lançamentos em parceria com empresas digitais, tais como uma linha de crédito para capital de giro a vendedores de marketplaces, soluções de Banking as a Service e soluções financeiras embutidas em ERPs e outros softwares de gestão empresarial.

O lucro líquido do Banco ABC Brasil atingiu R$151,5 milhões no terceiro trimestre de 2021, um crescimento de 11,1% em relação ao trimestre anterior e de 106,1% em relação aos R$73,5 milhões apresentados no mesmo período de 2020. O banco tem cerca de 1.100 funcionários registrados no LinkedIn, e já ultrapassou a marca de 3 mil clientes totais e de 2 mil com exposição ao crédito. Entre os futuros planos da instituição, estão: expandir a atuação no segmento de empresas com faturamento entre R$ 30 milhões e R$ 300 milhões, aumentar a participação em operações de mercado de capitais e de fusões e aquisições e manter sua expertise de critérios e políticas de gestão de risco e sua atuação em tesouraria.

Mais lidos

Compartilhar
Editoriais
  • Aceleração
  • Cases
  • Corporações
  • Cultura de inovação
  • CVC
  • D4S
  • Ecossistema e conexão
  • Estratégias
  • Eventos
  • Ferramentas e processos
  • Governança
  • Hubs
  • M&A
  • Partnership
  • Programas
  • Squads
  • Startups
  • Techboard
  • Tecnologia
  • Tendências
  • Transformação Digital

Posts recomendados

Acesse o blog arrow