arrow Voltar
Empreendedorismo Feminino: fundadoras de startups contam seus desafios e dão dicas

Empreendedorismo Feminino: fundadoras de startups contam seus desafios e dão dicas

Neste mês é comemorado o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino e é um período de reflexão sobre a representatividade das mulheres. A data foi criada em 2014 pela ONU e tem o objetivo de incentivar e reconhecer o trabalho das mulheres que empreendem. Apesar das mulheres representarem cerca de metade da população, no Brasil, existem […]

24 de novembro de 2020 6 min de leitura
time

Artigo atualizado 24 de novembro de 2020

Neste mês é comemorado o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino e é um período de reflexão sobre a representatividade das mulheres. A data foi criada em 2014 pela ONU e tem o objetivo de incentivar e reconhecer o trabalho das mulheres que empreendem.

Apesar das mulheres representarem cerca de metade da população, no Brasil, existem 9,3 milhões delas no comando de empresas, o que representa 34% de todos os donos de negócios do país, de acordo com dados do Sebrae. Quando analisamos o cenário do ecossistema de inovação, fica ainda mais desigual. Segundo estudos do Distrito, é possível perceber o quanto a liderança das startups ainda tem forte predominância de homens.

Dentro do quadro societário das fintechs, por exemplo, o desequilíbrio é ainda maior — apenas 12% de mulheres são sócias desse tipo de empreendimento. Isso não é uma característica somente das startups do setor financeiro, mas é nele que o problema é mais evidente. Confira abaixo a tabela comparativa entre os setores já mapeados.

Setor% de mulheres
LegalTech25%
EdTech20%
HealthTech20%
Insurtech16%
AdTEch & MarTech14%
LogTech14%
AdTech13%
Industria 4.013%
FinTech12%

Mas por que essa diferença acontece? A melhor forma de falar sobre esse assunto é conversar com as mulheres que estão na linha de frente de uma startup. Neste artigo, você irá conhecer a trajetória de quatro CEOs que fazem a diferença e participam do Distrito For Startups, programa de desenvolvimento de startups focado em dar o suporte e ferramentas necessárias aos empreendedores brasileiros. 

Desafios enfrentados por mulheres empreendedoras no ecossistema 

O ecossistema de startups é conhecido por ser mais inovador do que o de empresas tradicionais. Ainda assim, há alguns desafios a superar quando o assunto é empreendedorismo feminino.

Um deles é a falta de incentivo para que as mulheres empreendam. Assim, quando chegasse o momento, elas se sentiriam mais confiantes.  “Precisamos encorajar as meninas, desde cedo, a correrem riscos e a tomarem decisões, por menores que sejam, pois isso vai refletir nas suas decisões de carreira e de futuro”, afirma Juliana Freitas, da startup FortBrasil.

Outro problema, segundo as fundadoras de startups entrevistadas, é a necessidade de provar mais do que os homens para obter credibilidade e reconhecimento do mercado, principalmente quando se trata de investidores. Mesmo extremamente qualificada, elas dizem, a mulher pode ser vista de forma inferior quando comparada ao que é feito com um homem com as mesmas (ou até com menos) qualificações. Lilian Rocha, da Hacking Growth, dá a dica. “Nunca deixe que ninguém a subestime”, diz.

Inspire-se com a história de quatro empreendedoras de sucesso

Ao mesmo tempo em que existem dificuldades, inúmeras iniciativas têm surgido para dar suporte ao empreendedorismo feminino. Além disso, as mulheres estão se ajudando e formando uma rede de suporte e conexão.

Para celebrar este dia 19 de novembro, entrevistamos quatro empreendedoras que fazem parte do programa Distrito for Startups. Conheça e inspire-se com estas histórias!

Renata Bonaldi, CEO da SleepUp

A empreendedora Renata Bonaldi é cofundadora e CEO da SleepUp, aplicativo que funciona como um assistente pessoal para melhorar o sono, oferecendo terapia virtual e monitoramento contínuo.

Criada há um ano, a empresa já passou pelo programa de aceleração do Founder Institute, nos Estados Unidos, e conta com mais de 2 mil downloads e 500 usuários ativos no mundo, com apenas 4 meses no mercado. São três mulheres no quadro societário. 

Para mulheres que querem empreender, a dica de Renata Bonaldi é confiar em si e na própria capacidade de execução. “Ouça feedback, mas não deixe as pessoas te diminuírem ou desmotivarem”, diz. 

Além disso, ela recomenda tomar decisões baseadas em dados. “Colocar a paixão um pouco mais de lado e ver as coisas de forma neutra, imparcial, estratégica e baseada em números é muito importante”, aconselha.

Dentre os seus aprendizados como empreendedora, estão o de que é necessário ter propósito, resiliência, motivação, determinação, capacidade e competência para empreender e ter sucesso. Além disso, ela também cita a importância do networking. 

Juliana - Founder Cartão Vai Bem

Juliana Freitas, Founder da Cartão Vai Bem

A empreendedora Juliana Freitas é a fundadora da FortBrasil, uma das maiores fintechs do setor de cartões de crédito do país. Criada há 15 anos, a empresa deve crescer 50% em 2020 em volume de vendas, alcançando 2 milhões de cartões emitidos.

Ela também criou a Cartão Vai Bem, cartão pré-pago que permite ter acesso a uma rede de milhares de clínicas e laboratórios para consultas ou exames.

Dentre seus aprendizados ao longo dessa trajetória, ela cita que a jornada empreendedora requer resiliência e paixão pelo que se faz. “É de extrema importância formar um time que sonhe junto com você. Sonhe grande! Mostre para a sua família como o seu sonho é importante para você, pois o apoio deles será fundamental nos momentos mais difíceis”, aconselha.

Para um mundo corporativo mais igualitário, ela diz que é preciso buscar soluções para mudar os números de forma estrutural, encorajando outras mulheres. “Precisamos encorajar as meninas, desde cedo, a correrem riscos e a tomarem decisões, por menores que sejam, pois isso vai refletir nas suas decisões de carreira e de futuro”, conta.

Lilian Rocha, Cofundadora da Hacking

Lilian Rocha, Cofundadora da Hacking Growth

Lilian Rocha é cofundadora da Hacking Growth, consultoria focada em CRO. Analista de sistemas, desenvolvedora, pesquisadora em novas tecnologias e com experiência em UX e UI, Marketing Digital e Growth Hacking, ela é apaixonada por tecnologia e empreendedorismo.

Desde que assumiu a gestão da empresa, no fim do ano passado, ela conta que o negócio teve um crescimento progressivo nos 4 primeiros meses. Neste ano, no entanto, o empreendimento foi atingido em cheio pela pandemia, mas está retomando o crescimento.

“Precisei estar atenta às reações dos negócios e tomar decisões rápidas condizentes com esse movimento. Aprendi, também, a resiliência. Esse ano mostrou que precisamos estar dispostos a nos reinventar todos os dias”, diz. 

Ela conta que, na carreira, um marco foi participar do evento do Distrito com outras founders mulheres. “Aprendi muito com elas e me senti muito bem em inspirar outras mulheres”, conta.

Para quem quer começar a empreender, ela dá a dica: “nunca desista de seus sonhos. E nunca deixe que ninguém a subestime”.

Luisa Brandt, cofundadora da Bot da May

Luisa Brandt, Cofundadora da Bot da May

A empreendedora Luísa Brandt é cofundadora da May, uma chatbot que conversa sobre quimioterapia com foco em câncer de mama. O projeto foi inspirado na própria mãe, que enfrentou a doença.

A profissional atua como UX designer em uma empresa de tecnologia e toca o projeto em paralelo. Artista plástica com pós-graduação em crítica e ilustração, ela conta que sempre teve um perfil de negócios, e que, com a May, conseguiu reunir diversas áreas de interesse em um único projeto. 

O diferencial? “É uma solução tecnológica com a mulher no centro do produto e faz parte da transformação digital que estamos vivendo, no cerne da transformação sócio-cultural em que as pessoas estão se adequando aos novos meios de comunicação à distância”, conta.

Durante a trajetória como empreendedora, ela aprendeu algumas lições, que hoje repassa às mulheres que estão começando o próprio negócio. A principal delas é começar. 

“Irão duvidar de você, irão desconfiar do seu potencial ou dizer que ‘isso não é pra você’, mas ao mesmo tempo, terão outras pessoas, mulheres e homens, te impulsionando, te admirando, te inspirando, então comece, nem que seja pequeno, nem que seja tímido, nem que ninguém, em absoluto, esteja vendo o que você faz, comece!”, diz.

Dentre os aprendizados como empreendedora, ela cita aprender sobre si todos os dias, sobre a vida e sobre como lidar com as pessoas.

 “O empreendedorismo é uma espécie de auto análise 24h, ainda mais quando se começa do zero. Mas sem dúvida alguma, o que me dá forças é exatamente saber que sempre há uma recompensa para quem não teve medo de começar. Dar certo ou dar errado custa o mesmo esforço. Eu prefiro me arriscar e aprender com as circunstâncias. A vida é muito curta para ficar sentada num banco, apenas observando, enquanto outras pessoas dão seus shows”, conclui.

Mais lidos

Compartilhar
Editoriais
  • Aceleração
  • Cases
  • Corporações
  • Cultura de inovação
  • CVC
  • D4S
  • Ecossistema e conexão
  • Estratégias
  • Eventos
  • Ferramentas e processos
  • Governança
  • Hubs
  • M&A
  • Partnership
  • Programas
  • Squads
  • Startups
  • Techboard
  • Tecnologia
  • Tendências
  • Transformação Digital

Posts recomendados

Acesse o blog arrow