arrow Voltar

Conheça a Fohat, startup de energy intelligence que aposta no bem-estar dos colaboradores

Dani Paes, fundadora e Chief People & Culture Officer da Fohat. Transformar a vida das pessoas de maneira positiva por meio de energy intelligence é o propósito da Fohat, startup curitibana fundada em maio de 2017 que tem chamado a atenção do mercado e dos investidores. A empresa, a primeira da América Latina a usar […]

11 de dezembro de 2020 4 min de leitura
time

Artigo atualizado 11 de dezembro de 2020

Dani Paes, fundadora e Chief People & Culture Officer da Fohat.

Transformar a vida das pessoas de maneira positiva por meio de energy intelligence é o propósito da Fohat, startup curitibana fundada em maio de 2017 que tem chamado a atenção do mercado e dos investidores.

A empresa, a primeira da América Latina a usar blockchain no setor de energia, já recebeu R$ 8,3 milhões em investimentos desde que foi criada, além de acumular presenças em rankings de inovação. Além disso, a preocupação com o bem-estar dos colaboradores é outra marca da startup, que criou um programa de mindfulness para o desenvolvimento da equipe.

Leia o artigo para conhecer mais sobre essa história.

Como a Fohat foi criada

A Fohat nasceu em 2017 como uma startup de energy intelligence que tem como objetivo conectar geradores, traders e consumidores de energia em modelos de mercado livre, transformando bits em coins. Na ponta de produção, conecta interfaces e sistemas para gerar eficiência, segurança e rentabilidade, transformando elétrons em bits.

Essas soluções de inovação não se restringem a um produto, pois vão desde a concepção de modelos inovadores de operação e negócio até produtos e serviços digitais que os fazem funcionar na prática.

Um dos diferenciais da Fohat está no fato de ser a primeira empresa de energy intelligence dentro de uma indústria — a de energia — que serve como meio para todas as atividades do mercado, ou seja, tem lastro comercial em muitas outras indústrias. 

Além disso, tem conhecimento na aplicação do modelo dos três “D” da energia — um modelo de mercado verde de energia que está sendo construído globalmente e que tem como características a descarbonização, descentralização e digitalização da energia.

“Nascemos de uma visão dos fundadores de um futuro progressista para o Brasil, que está se concretizando. A Fohat está pronta para essa realidade que se aproxima. Estamos a poucos passos da total abertura do mercado de energia no país e isso impactará preço, acessibilidade, geração de emprego, surgimento de novos players e muitos outros reflexos positivos para a sociedade e para o planeta”, conta o CEO e um dos fundadores da startup, o engenheiro eletricista Igor Ferreira. 

É por conta de toda essa inovação que, mesmo sendo uma empresa jovem, a Fohat já conta com projetos em Curitiba e São Paulo e também no exterior — em Santiago, no Chile, e em Melbourne, na Austrália — atuando para empresas como AES Tietê, Eneva e Acciona e também na esfera pública, com parcerias com o Governo do Paraná e a Prefeitura de Melbourne.

Preocupação com o bem-estar dos colaboradores

Desde o início, os fundadores Dani Paes e Igor Ferreira idealizavam construir uma empresa leve, ágil e enxuta para criar novas possibilidades e transformar o mundo por meio da energia. 

Foi por essa forma de olhar para as pessoas e o mundo que também escolheram nascer sob os pilares da nova economia, buscando um modelo de desenvolvimento que gera e promove bem-estar, e não apenas lucro. Isso vale não só para os clientes e a sociedade como para os colaboradores da Fohat, os fohackers, como são chamados internamente.

Colaboradores da Fohat em um momento de meditação

Colaboradores da Fohat em um momento de meditação.

“Acreditamos que as pessoas precisam se sentir bem consigo mesmas para poderem desenvolver sua atividade dentro do ambiente de trabalho, no qual estão todas as outras pessoas. E uma pessoa não liga o botão de on e entra para trabalhar desconectada de todos os componentes mentais, emocionais, físicos, orgânicos e comportamentais que lhe compõem e impactam a cada segundo de sua vida”, conta a fundadora e Chief People & Culture Officer da Fohat, Dani Paes.

Para a Fohat, quanto mais autoconhecimento e consciência sobre seus sentimentos os colaboradores tiverem, mais conseguirão gerir atitudes, seja para o próprio bem-estar, seja para fazerem o que sabem de maneira produtiva. Dessa forma, o colaborador também se sente mais satisfeito consigo e conectado com o propósito para o qual trabalha.

Um programa focado em atenção plena

Uma das ferramentas em que a Fohat aposta para criar esse ambiente agradável de trabalhar é o mindfulness. A empresa criou um programa focado nessa técnica de atenção plena, chamado de Presence – Programa de Mindfulness para Qualidade de Vida, Autoconhecimento, Manejo do Estresse e Melhor Relação Intrapessoal e Interpessoal. 

O Presence foi inspirado por programas desenvolvidos por outras empresas, como Google, Facebook e Apple, que viram bons resultados na implementação do mindfullness entre seus colaboradores.

Inteiramente voltado aos fohackers, ele se soma a outras iniciativas da empresa focadas em colaborar com a saúde do time, fazendo parte do My Energy Intelligence, programa de bem-estar da Fohat que também conta com prática semanal de meditação, pilates, workshops fixos de saúde com médico e psicólogo, dentre outros.

O objetivo do Presence é colaborar para que o fohacker alcance qualidade de vida, autoconhecimento, redução de estresse e habilidade para as relações consigo mesmo e com o outro. À frente da elaboração do programa está Dani Paes, que também é pesquisadora de desenvolvimento humano desde 2004.

Uma coleção de rankings

Outra característica que chama atenção para a Fohat é o fato de a startup colecionar diversas aparições em rankings de inovação. 

Em 2020, por exemplo, a startup está entre as 100 startups de elite do país em open innovation, de acordo com o 100 Open Startups, ranking anual que lista os negócios brasileiros que mais investiram em inovação aberta.

Fohat fica com a segunda posição entre as startups do setor de energia do 100 Open Startups

Fohat fica com a segunda posição entre as startups do setor de energia do 100 Open Startups.

Além disso, ainda em 2020, a Fohat foi citada como startup de destaque no cenário em um importante estudo: no relatório The Global Startup Ecosystem Report (GSER 2020), realizado pela Startup Genome, que coloca Curitiba na lista de 100 localidades mais promissoras do mundo como ecossistema de inovação, dentre 270 ecossistemas analisados globalmente — essa foi a única cidade brasileira listada.

Atualmente em fase de validação de produto com grandes empresas do mercado de energia, a Fohat tem boas perspectivas para 2021, buscando lançar um produto para o mercado no próximo ano.

Posts recomendados

Acesse o blog arrow