Todo empreendedor tem o desafio de encontrar um ambiente de trabalho que esteja de acordo com suas necessidades. O coworking é uma opção que está cada vez mais em alta por apresentar diversos benefícios, principalmente para quem está começando, como é o caso de muitas startups.

Antigamente, as alternativas eram mais limitadas e o empresário ficava restrito a alugar um espaço, como um escritório em algum prédio comercial, ou até a adquirir um local para instalar a empresa. Essas eram algumas das opções mais comuns e recorrentes.

Entenda melhor o que é coworking

O termo representa um espaço compartilhado onde pessoas, startups e empresas podem se instalar e alugar uma estação de trabalho ou uma mesa (tudo isso depende do modelo de negócio do coworking e como funciona a estrutura do local).

O conceito de coworking, como hoje conhecemos, tem pouco mais de 10 anos, e teve o americano Bred Neuberg como idealizador, que criou o primeiro ambiente colaborativo. Num mesmo espaço, profissionais de diferentes estilos compartilham a estrutura necessária para desenvolver seus trabalhos.

Dados importantes

O estudo Censo Coworking Brasil 2018 traz informações valiosas sobre os espaços de coworking no Brasil e o perfil dos coworkers. Atualmente, mais de 214 mil pessoas frequentam um espaço de coworking no país. Elas costumam ficar, em média, nove meses no espaço.

Além disso, 42% das pessoas entrevistadas consideram que há poucos coworkings em suas cidades. O que demonstra uma oportunidade de mercado, pois a percepção do público demonstra que há escassez desse tipo de ambiente.

Escolha um coworking/campus que atenda a sua necessidade

São diversos tipos de pessoas, necessidades, modelos de negócio e sempre terá uma opção de coworking que tem mais aderência ao que você procura. Por exemplo, há espaços voltados especificamente para receber startups. Outros têm características voltadas para receber freelancers, que precisam de um espaço para se alocar por poucos dias.

Para você entender melhor, vale citar como é no próprio Distrito, que funciona como um hub de inovação e tem, como uma das frentes de negócio, os campus de inovação/coworkings.

Por exemplo, os espaços são ideais para startups que buscam reservar salas próprias para sua equipe ou aquelas que buscam se alocar em mesas que ficam no espaço colaborativo, em conjunto com outras startups.

Além disso, o que atrai muitos dos residentes a alugarem mesas e espaços é a característica “divisão por vertical de negócio”. Portanto, se a sua startup é uma fintech, o espaço Distrito Fintech é ideal para você. Algumas startups que estão alocadas nesse coworking são a AliCredito, Fisher além de muitas outras.

Tudo vai depender do que você quer e busca como empreendedor para a sua startup. E, além disso, depende também o que o coworking oferece para sua empresa e como funciona o modelo de negócio do espaço.

Conheça os campus do Distrito

Os benefícios de se trabalhar num coworking

Agora que você já entendeu como funciona um coworking, é interessante que entenda quais tipos de benefícios ele pode trazer para a sua startup.

1- Networking e Geração de Negócios

Este é um dos principais motivos que faz alguém se interessar em ir para um coworking. A possibilidade de estar em contato com outros negócios e empresários se torna um grande atrativo para as startups.

Ambientes colaborativos tendem a dar oportunidade para os empreendedores se relacionarem com outros sócios e CEOs. Podem surgir parcerias de negócios e amizades.

Além disso, o modelo de negócio de um coworking é pensado para estimular esse contato entre os residentes e startups alocadas. Por exemplo, no Distrito é utilizado o aplicativo Slack, que funciona como um intermediador de mensagens, que possibilita que os residentes se comuniquem entre si. Inclusive há um grupo no app dedicado somente para os novos membros se apresentarem.

Outro ponto importante é que sempre há eventos que estimulam a interação entre as pessoas e startups. Palestras, aulas, webinars são comuns de acontecerem num coworking. Eventos de happy hour, normalmente, são organizados para estimular que todas as pessoas e startups residentes interajam entre si.

2- Facilidade da operação

A facilidade da operação que um coworking oferece às startups é algo de extrema importância. Afinal, se uma cadeira quebrar, a equipe responsável pela infraestrutura do coworking irá buscar a solução para o problema.

Você não terá que se preocupar com faxina, limpeza ou qualquer outro tipo de questão que envolve a infraestrutura do local porque isso fica por conta dos administradores do espaço de coworking.

Todos esses fatores ajudam a fazer com que o foco das startups não seja desviado para assuntos rotineiros ou que exijam uma energia extra. Você pode focar totalmente no seu projeto e deixar que o coworking se responsabilize por todas as questões administrativas e estruturais.

3- Pertencimento a uma comunidade

Algo de extrema relevância para um coworking é a comunidade e o ambiente que ele proporciona para a sua startup! Como assim?

Normalmente, os coworkings têm uma cultura própria e pessoas com o objetivo de atender toda a comunidade, que são os Community Managers.

Eles são responsáveis pela construção e gerenciamento da comunidade criando e mantendo relacionamentos estáveis ​​e duradouros com seus clientes. No caso do Distrito, a área de Community tem a responsabilidade de criar rituais.

O que são rituais para um coworking?

Como explica Emiliano Agazzoni, Head de Community do Distrito, rituais são ações significativas que dão sentido a uma comunidade. Em contraste com experiências compartilhadas em palestra ou um evento, o ritual tem um valor simbólico primário e pode ser muito pessoal. O objetivo é dar um significado mais profundo para certas ações, como por exemplo, a entrada de um novo membro.

Os rituais devem estar alinhados com o propósito e os valores da comunidade. Um ritual clássico entre membros de um grupo são as celebrações, como um aniversário. “No Distrito, celebramos todo mês o aniversário dos membros. Chamamos eles para cortar o bolo com todo mundo reunido, aproveitando ao máximo o momento de felicidade para criar novos laços, descontrair após um dia pesado de trabalho, ou simplesmente falar um “oi” e trocar umas palavras com algum membro”, comenta.

4- Colaboração e Troca de Conhecimento

Outro fator de extrema relevância é a característica de colaboração que os coworkings possuem. As pessoas são estimuladas, pelo próprio funcionamento do espaço, a conversar, pedir opiniões e dar feedbacks constantemente.

Colaboração faz parte da cultura de um coworking! Aqui, no Distrito, é comum vermos pessoas interagindo com outras e pedindo ajuda.

O fato também de cada coworking ser dividido por verticais (por áreas/setores), como explicado anteriormente, facilita que uma startup de pagamentos peça ajuda a um profissional de marketing de uma fintech. Afinal, eles ficam em mesas próximas e um poderá ajudar o outro, inclusive por atuarem no mesmo setor.

5- Flexibilidade

Muitos coworkings possuem flexibilidade para você operar o negócio. Por exemplo, sua empresa começou com 4 pessoas, você alocou uma mesa pequena, mas depois de três meses sua equipe aumentou e, agora, você precisa de uma mesa maior. Não tem problema, é só falar com os responsáveis pela administração do espaço. Nesse momento, você solicita uma mesa maior ou uma sala (muitas vezes isso implica no valor que você irá pagar no período que está lá) e problema resolvido!

Além disso, coworkings possuem espaços como vestiário, bicicletarias, cozinha entre outros locais com o intuito de oferecer flexibilidade e conforto para você.

Além disso, os coworkings são localizados e pensados para as pessoas terem fácil acesso, ficando próximos de linhas de ônibus, metrôs e até de ciclofaixas.

Conheça os campus do Distrito