arrow Voltar
Qual o impacto da Tesla no mercado automotivo e de inovação?

Qual o impacto da Tesla no mercado automotivo e de inovação?

Saiba tudo sobre a companhia de Elon Musk, a Tesla, e descubra qual o impacto que ela tem no mercado de automóveis.

3 de agosto de 2022 5 min de leitura
time

Artigo atualizado 3 de agosto de 2022

Ao contrário do que possa parecer, a montadora de veículos mais valiosa do mundo, a Tesla, foi fundada apenas em 2003, menos de vinte anos atrás.

E não por Elon Musk. Na verdade, quem tirou a empresa do papel foram os engenheiros Martin Eberhard e Marc Tarpenning. Musk entrou na Tesla no ano seguinte, após realizar um investimento de US$ 6,5 milhões que lhe rendeu o cargo de CEO na companhia.

Atualmente, a Tesla tem sede em Austin, capital do Texas. Além da fábrica nos Estados Unidos, a empresa ainda conta com instalações na China e na Alemanha.

O alvo da Tesla são os carros elétricos, mas a montadora também desenvolve outros projetos relacionados à sustentabilidade, como geração e armazenamento de energia solar e comercialização de componentes elétricos.

Neste texto, você irá aprender tudo sobre a companhia de Elon Musk e descobrir qual o impacto que ela tem no mercado automotivo.

A montadora mais valiosa do mundo

Conforme um ranking elaborado pela consultoria Companies Market Cap, hoje a Tesla é a montadora de veículos mais valiosa do planeta.

A companhia está avaliada em US$ 720,4 bilhões, valor mais de três vezes superior ao da japonesa Toyota, segunda colocada no ranking com precificação de US$ 209,8 bilhões.

Isso, levando em conta que a Tesla perdeu fortunas em valuation nos últimos meses. Só no final de abril, a avaliação da marca desabou US$ 126 bilhões depois de Elon Musk chegar a um acordo para comprar o Twitter.

A aquisição acabou sendo cancelada, mas as ações da Tesla mantiveram a tendência de queda. Mesmo assim, a montadora continua como a quarta maior empresa em valor de mercado na Nasdaq, atrás da Apple, Microsoft e Amazon.

A Tesla no mercado automobilístico

Desde que foi fundada, a Tesla já vendeu mais de 2 milhões de automóveis elétricos no mundo todo. O recorde ocorreu no último ano, quando a empresa vendeu quase um milhão de unidades.

No Brasil, desde 2015, foram vendidos somente 122 carros da marca. Isso porque eles precisam ser importados e, desnecessário dizer, por preços bastante elevados. No início de 2020, até surgiram rumores de que a montadora abriria uma fábrica por aqui, mas até agora nenhuma informação oficial foi divulgada.

Os carros da Tesla

De acordo com as normas da SAE International, instituição mundial de engenharia automotiva, existem seis níveis para definir a autonomia dos veículos. O nível 0 designa os carros totalmente dependentes do condutor para operar. O nível 5, o mais avançado, denota automóveis 100% autônomos, que funcionam sem qualquer intervenção humana.

A Tesla tem quatro modelos de carro, cada um com duas ou três versões diferentes. Eles possuem um sistema semiautônomo chamado Autopilot, considerado de nível 2 e capaz de interferir sozinho nos pedais e volante do veículo para acelerar, fazer curvas e frear.

No entanto, os automóveis com esse nível de autonomia jamais podem ser operados sem a presença de um motorista concentrado ao volante. Na verdade, hoje existem apenas protótipos de veículos 100% autônomos, como os de nível 4 e 5.

Em 2021, a Honda e a Mercedes lançaram carros de nível 3, que conseguem tomar decisões independentes a partir de informações coletadas dos arredores (tráfego, pedestres), mas não dispensam o condutor.

Model 3

O Tesla Model 3 é um sedan médio oferecido em três versões, com baterias para percorrer até 614 quilômetros. A versão mais potente é a Performance, que chega a 261 km/h e vai de 0 a 100 km/h em 3,3 segundos.

Model Y

O Tesla Model Y tem um motor de 480 cavalos e bateria para até 487 quilômetros. Também tem uma versão Performance, que atinge 250 km/h e chega a 100 km/h em 3,5 segundos.

Model X

O Tesla Model X é considerado o SUV 100% elétrico mais rápido e seguro do mundo. Sua versão Plaid chega a 262 km/h.

Model S

O Tesla Model S está disponível em três versões. A mais poderosa delas é a Plaid+, que vai de 0 a 100 km/h em 1,9 segundo e atinge a velocidade máxima de 322 km/h.
O veículo tem bateria para rodar 837 quilômetros e três motores elétricos que, somados, contam com 1.115 cavalos de potência.

O Tesla Roadster

O primeiro Tesla Roadster foi lançado em 2008 e fez um grande sucesso na época. O esportivo elétrico podia percorrer 350 quilômetros com uma só carga de bateria e ia de 0 a 100 km/h em menos de quatro segundos.

Porém, o Roadster parou de ser fabricado em 2011, após 2,6 mil unidades produzidas. Em março de 2018, Elon Musk mandou o modelo para o espaço — literalmente. O automóvel foi enviado como carga de teste para o foguete Falcon Heavy, da empresa aeroespacial SpaceX, também de Elon Musk.

O novo Tesla Roadster

Em 2017, Elon Musk anunciou uma nova geração do Tesla Roadster, previsto para começar a ser produzido em 2020. No entanto, a fabricação foi adiada para 2022 e depois para 2023 — de acordo com o bilionário, por causa da escassez global de semicondutores (chips).

Em uma entrevista recente concedida ao podcast Spike’s Car Radio, Musk declarou que os engenheiros da Tesla continuam trabalhando firme no projeto e que a espera valerá a pena.

O CEO afirma que o novo Roadster alcançará velocidades acima dos 400 km/h e atingirá os 96 km/h em — pasme — 1,1 segundo. Essa estrondosa aceleração será obtida graças a propulsores de foguete da própria SpaceX, que serão acoplados ao redor da máquina.

Se a promessa se cumprir, o Roadster obterá o status de automóvel mais rápido do mundo.

Bateria para 100 anos

Além de ser a maior montadora de veículos semiautônomos do mundo, a Tesla também é referência global em carros elétricos e sustentáveis.

Atualmente, os automóveis da marca utilizam baterias de íons de lítio do tipo LFP (fosfato de ferro e lítio). Mas, no início de maio, o departamento de pesquisas da empresa publicou um estudo revelando o desenvolvimento de uma nova bateria que pode durar cem anos.

Em vez de lítio, a composição química da bateria contaria com níquel, metal de transição mais durável do que os atuais LFPs.

A Tesla em números

Um ranking elaborado pela Kantar BrandZ aponta que a marca Tesla foi a que mais cresceu entre 2020 e 2021. No período, a empresa de Elon Musk aumentou o seu valor de marca (não confundir com o de mercado) em 275% e alcançou o marco de US$ 42,6 bilhões.

No terceiro trimestre de 2021, a Tesla atingiu o recorde de 238 mil veículos produzidos. Isso enquanto outras montadoras reduziam a produção de automóveis e até fechavam fábricas por causa da crise na oferta de semicondutores.

Desde o início de 2020, as ações da Tesla se multiplicaram mais de onze vezes. Só em 2021, os papéis da companhia subiram 39%. 

Em outubro, a Tesla ultrapassou US$ 1 trilhão em capitalização de mercado, marca atingida apenas por Amazon, Apple, Microsoft, Alphabet (controladora do Google) e Facebook nos Estados Unidos.

Montadoras e inovação

A indústria automobilística é extremamente tradicional e sólida. No entanto, é fato que o setor também é responsável por inúmeros avanços tecnológicos com a implementação cotidiana da inovação, desde processos até em produtos. 

Hoje, para além de engenheiros e designers, as empresas desse setor têm buscado estar imersas nos avanços tecnológicos para continuar inovando, sobretudo, ampliando o contato com startups. 

Questões como conectividade, mobilidade, energia limpa e até mesmo criatividade impulsionam e balizam as companhias em direção a como serão os carros no futuro. Tais soluções nem sempre podem ser desenvolvidas e encontradas dentro das empresas, por isso iniciativas de investimento em inovação aberta e startups vêm ganhando força a cada ano.



Posts recomendados

Acesse o blog arrow