arrow Voltar

Com quantos profissionais se faz uma startup?

Por Mariana Dias, CEO da Gupy De todos os aprendizados que fundar uma startup do zero me proporcionou, entender a importância de um time bem estruturado e alinhado culturalmente é um dos mais valiosos. Eu entendi que, para ajudar na construção do seu sonho, é preciso contar ao seu lado com pessoas determinadas assim como […]

29 de janeiro de 2021 3 min de leitura
time

Artigo atualizado 29 de janeiro de 2021

Por Mariana Dias, CEO da Gupy

De todos os aprendizados que fundar uma startup do zero me proporcionou, entender a importância de um time bem estruturado e alinhado culturalmente é um dos mais valiosos. Eu entendi que, para ajudar na construção do seu sonho, é preciso contar ao seu lado com pessoas determinadas assim como você. 

E foi lendo um artigo da Forbes sobre os elementos para o sucesso de uma startup, que me deparei com elemento “time” sendo de segunda maior importância. Bill Gross, fundador da Idealab, identificou em um estudo que o market timing na hora de fundar uma startup é o principal fator de sucesso.

Isso, por si só, é conteúdo suficiente para um artigo solo. Mas, por ora, quero focar no segundo elemento: o startup team.

Equipe, time, colaboradores: o sistema nervoso de uma startup

Sistema nervoso é a rede de comunicação que transmite informações entre todas as partes do corpo, coordenando ações voluntárias e involuntárias. Para uma empresa, é necessário construir um ambiente comunicativo e colaborativo, com as pessoas certas que farão o planejamento sair do papel. Pode até soar piegas, mas ao traçar esse paralelo com uma startup, podemos entender que as pessoas não são o coração da empresa, mas, sim, todo o sistema nervoso: executa ações vitais que mantém o corpo saudável e em constante movimento.

Mas diferente de uma empresa comum, uma startup está inserida em um contexto onde é necessário uma alta escalabilidade, resiliência e agilidade (e não pressa!) em um cenário extremamente incerto. E como o timing é o principal fator de sucesso, é necessário compor um time que contenha as habilidades que sua startup necessita para alcançar os resultados planejados. É olhando por esse prisma que percebemos que a construção de um time “sistema nervoso”, alinhado culturalmente e que acredita no propósito é fundamental para o sucesso.

Mas, como bem sabemos, essa é uma via de duas mãos. Uma startup, por exigir tanto do seu time, precisa gerar retorno para os colaboradores. E não, não estou falando apenas de salário. Mas sim de aprendizado, promoções, um ambiente que proporciona crescimento rápido e com reconhecimento; benefícios que fazem diferença, flexibilidade… Boa parte dos talentos procuram startups por conta desse ambiente, da flexibilidade e do employee experience.

As três fases de uma startup e a construção de times

Geralmente, a divisão do o crescimento de uma startup é feita em três fases: a de formação, a de validação e a de escala. Em cada uma, precisamos pensar na construção e desenvolvimento dos times para suportar os desafios enfrentados — que mudam conforme a fase da startup. Isso significa que, conforme a empresa cresce e muda de estágio, os colaboradores precisam acompanhar essa mudança. Em outras palavras, é preciso contratar bem e desenvolver muito bem.

Formação

Nessa fase, as startups estão idealizando e ajustando a missão, alinhando o problema e planejando a estratégia. Aqui, você precisa definir a sua cultura que irá guiar as futuras contratações. Porque, nessa fase, se aprenderá muito sobre o negócio e as habilidades necessárias para vencer os desafios. Portanto, olhe para a diversidade de pessoas e ide ideias (é fundamental em qualquer fase), entenda as competências e defina valores fundamentais.

Validação

Na validação, a startup começa a ganhar “corpo”, ou seja, é necessário investir em novas contratações. Aqui, testes são feitos a todo o tempo e errar nunca é um problema. Dessa forma, você precisa de pessoas ágeis, que ajudará a validar a ideia com o MVP e qualquer outra ferramenta necessária. Essa é a hora de começar a estruturar, de forma pequena, um processo de recrutamento e também nas formas de recompensas, benefícios e promoções.

Escala

Por fim, a escala representa um crescimento acelerado. Com um processo mais maduro e com um acompanhamento de KPIs definido, escalar uma startup demanda de muita adaptação, estratégia certeira e agilidade. Nessa fase, é importante ter um processo fluido de contratação, orientado pelos valores, habilidade e competências necessárias, mas também sem esquecer do encantamento e reconhecimento para com os colaboradores.

A missão, visão e valores, antes de estarem na parede, devem estar na sua estratégia de recrutamento e seleção. Esses direcionamentos farão que você componha o seu time com as pessoas certas, com as habilidades e competências necessárias para os desafios diários de uma startup.

Distrito for Startups

Posts recomendados

Acesse o blog arrow