arrow Voltar

PIX: o que é e como funciona o sistema de pagamentos instantâneos do Bacen

A principal novidade dos últimos meses no mercado financeiro é, sem dúvidas, o PIX, sistema criado pelo Banco Central (Bacen) para pagamentos instantâneos. Esta nova estrutura promete revolucionar a forma como se envia e recebe dinheiro no Brasil, trazendo mudanças profundas para comerciantes e população em geral.  Ainda tem dúvidas de como vai ser? Confira […]

1 de setembro de 2020 3 min de leitura
time

Artigo atualizado 1 de setembro de 2020

A principal novidade dos últimos meses no mercado financeiro é, sem dúvidas, o PIX, sistema criado pelo Banco Central (Bacen) para pagamentos instantâneos. Esta nova estrutura promete revolucionar a forma como se envia e recebe dinheiro no Brasil, trazendo mudanças profundas para comerciantes e população em geral. 

Ainda tem dúvidas de como vai ser? Confira como o PIX vai funcionar na prática. 

Fintech Report 2022 Banner

O que é PIX?

É um sistema eletrônico de pagamento instantâneo que permite realizar transações, como transferências e pagamentos, 24h por dia, sete dias por semana, incluindo feriados. Mesmo que a interação seja entre bancos ou instituições diferentes, a liquidação será imediata, em no máximo 10 segundos, acabando com a espera para recebimento de TED ou DOC ou processamento de boletos, por exemplo. 

Oficialmente, o PIX entra em operação em todo o Brasil no dia 16 de novembro. Mas o cadastro de clientes ou das chaves PIX começará no dia 05 de outubro. O diretor da Organização do Sistema Financeiro do Banco Central (BC), João Manoel de Mello, já garantiu que o PIX será gratuito para pessoas físicas

Como vai ser o pagamento por PIX

São três formas para realizar pagamentos de forma instantânea. Todas muito simples: utilizando um smartphone, será possível efetuar uma compra através do uso de um QR-Code — já oferecido hoje por algumas fintechs — pagamento por aproximação ou, ainda, através de uma chave de identificação. 

Se for escolhido o pagamento através de uma chave, o usuário precisará fornecer um dado específico para identificação, que pode ser o CPF, CNPJ, e-mail ou número do celular. De longe, menos informações do que hoje são necessárias para realizar uma transação como TED ou DOC. 

Mas para realizar pagamentos por meio da modalidade de chave PIX, será necessário fazer um cadastro com o seu banco ou instituição. 

Leia mais: Saiba como as instituições estão se preparando para o PIX.

Leia mais: O que o design tem a ver com o PIX? Tudo!

Como é o cadastro das chaves PIX 

Os usuários que têm interesse em cadastrar uma chave PIX devem se informar junto ao banco de qual forma esta inscrição será realizada (aplicativo, caixa eletrônico ou pessoalmente, na agência).

Algumas instituições já estão comunicando seus clientes sobre este processo e até realizando um pré-cadastro. Por exemplo, o Banco Inter está entrando em contato com alguns correntistas para que estes se inscrevam numa lista de teste por meio do aplicativo. Já o Santander lançou o SX, uma ferramenta de cadastro também por meio do app. 

Pessoas físicas poderão cadastrar até cinco chaves PIX em diferentes instituições. Já pessoas jurídicas poderão registrar até vinte chaves. 

Também há mais uma opção: a chave aleatória. É uma forma de receber um PIX sem passar nenhum dado pessoal. Ela poderá ser gerada no aplicativo do banco e consiste em um conjunto de números, letras e símbolos aleatórios, que permitem que pagamento seja realizado. 

É importante ressaltar que não será obrigatório ter uma chave PIX para realizar um pagamento instantâneo: você ainda poderá informar os dados pessoais e bancários da pessoa que for receber a transferência/pagamento, como é feito no TED ou DOC. Porém, a chave traz muito mais praticidade e rapidez a este trâmite. 

Leia também: Whatsapp Pay: ameaça ao sistema, concorrência ou inovação?

Saques em comércio

Uma das novidades mais recentes é a possibilidade de sacar dinheiro em estabelecimentos comerciais através do PIX. Este recurso deve estar disponível a partir do primeiro semestre de 2021 e será da seguinte forma: o cliente informará ao caixa local o valor que deseja sacar com o PIX e, por meio de um QR Code, pagará o valor X, acrescido de uma tarifa, ao estabelecimento. Após a transação ser confirmada, o caixa entregará o dinheiro em espécie. 

Segundo o Mello, este novo serviço, além de facilitar a vida do consumidor, que deixará de depender de caixas eletrônicos, ajudará a diminuir o gasto com manejo de dinheiro para o comerciante. Este texto foi escrito pela RTM, mantenedora e parceira do Distrito.

Este texto foi escrito pela RTM, mantenedora e parceira do Distrito.

Posts recomendados

Acesse o blog arrow