arrow Voltar
Quais são os principais setores liderados por mulheres nas startups do Brasil

Quais são os principais setores liderados por mulheres nas startups do Brasil

Moda é o setor com maior presença feminina entre as startups brasileiras. É o que revela o estudo Female Founders Report 2021: mais de 60% desses negócios inovadores foram fundados por mulheres. Ainda de acordo com o estudo, a representatividade feminina também é alta nos seguintes mercados: RH & Gestão de Pessoas (26,7%) Negócios Sociais […]

17 de março de 2021 3 min de leitura
time

Artigo atualizado 17 de março de 2021

Moda é o setor com maior presença feminina entre as startups brasileiras. É o que revela o estudo Female Founders Report 2021: mais de 60% desses negócios inovadores foram fundados por mulheres.

Ainda de acordo com o estudo, a representatividade feminina também é alta nos seguintes mercados:

  • RH & Gestão de Pessoas (26,7%)
  • Negócios Sociais (24,1%)
  • Alimentação (22,7%)

Apesar desses números, juntos esses setores representam apenas 3,5% do ecossistema de startups no Brasil. 

Já entre os setores mais díspares em relação à presença de mulheres na fundação, temos as startups que atuam nas seguintes áreas:

  • Jurídica (6,7%)
  • Gestão & TI (5,1%)
  • Indústria 4.0 (4,8%).

Áreas com maior concentração

Ao observar as empreendedoras, é possível perceber que estão mais concentradas em startups voltadas para:

  • Saúde (15,5%)
  • Educação (12,7%)
  • Serviços Financeiros (8,2%)

Isso mostra que o fato de elas serem maioria em determinado setor, como as fashiontechs, não significa uma preferência geral das mulheres pela área.

O que mais o Female Founders descobriu

O Female Founders ainda traz entrevistas com empreendedoras de destaque, dados sobre a presença de mulheres no ecossistema global de inovação, e alguns depoimentos, feitos de forma anônima, sobre os desafios enfrentados por elas em um mercado predominantemente masculino. O estudo tem como objetivo incentivar a discussão em torno do empreendedorismo feminino.

Reflita sobre alguns dos dados que o Female Founders Report 2021 evidencia:

  • Ticket médio chega a ser 100 vezes menor para investidas em empreendimentos (co)fundados por mulheres.
  • Em nossa pesquisa, mais de 70% das fundadoras que passaram pelo processo de captação de investimentos afirmaram ter sofrido assédio moral.
  • Cerca de 70% das startups fundadas ou co-fundadas por mulheres foram fundadas entre 2016 e 2020, contra aproximadamente 48% no ecossistema geral.
  • O estudo também evidencia a pouca diversidade entre as mulheres que lideram startups: 76,5% delas são brancas, e 87,5% se declaram heterossexuais. Quase metade afirma não ter filhos. 

O que as mulheres têm a dizer sobre a representatividade no setor de TI

Durante a elaboração do Female Founders Report 2021, diversas empreendedoras e executivas foram entrevistadas e compartilharam suas experiências e visões sobre o porquê do setor de TI ser menos diverso quanto à presença de mulheres na área.

Lícia Souza, da We Impact

Para a Lícia Souza, CEO da We Impact, primeira venture builder dedicada a mulheres líderes de startups,  a equidade de gênero deve fazer parte da agenda do ecossistema com soluções estruturadas, avançando da mera intenção à intencionalidade.

“Quem nunca ouviu que ‘mulheres são de humanas, homens são de exatas?’. Indo além, um estudo de 2019 mostrou que 59% dos brasileiros não se sentem confortáveis com uma mulher como CEO, e segundo o IFC só 8% dos fundos de VC e Private Equity da América Latina têm mulheres na liderança”, afirma.

Segundo a empreendedora, é importante que entidades de investimento invistam em startups fundadas por mulheres, mas também contratem e permitam a ascensão de mulheres a seus times de liderança.

“Crenças limitantes, normas sociais e a subrepresentatividade, entre outros fatores, criam um ciclo que não nos estimula a liderar, e muito menos a empreender em tecnologia”, comenta.

Marcella Ceva, CIO da We Ventures

Para Marcella Ceva, CIO da We Ventures, o mercado de tecnologia e inovação não se exime da desigualdade de gênero. “Apenas 30% das mulheres escolhem campos de estudos relacionados a ciências, tecnologia, engenharia e matemática, o que se reflete em uma participação abaixo de 25% no mercado STEM e 17% em tecnologia”, afirma.

Marcella acredita que esse cenário não é consequência de diferenças biológicas, mas de questões culturais. “Mulheres se deparam com vieses de autopercepção, estereótipos de gênero e falta de representatividade que influenciam negativamente o envolvimento nestas áreas”, complementa.

Para ela, uma maior diversidade é fundamental para incorporar diferentes óticas,impulsionando a inovação. “Precisamos nos comprometer com a equidade de gênero, agindo como investidoras e construtoras de parcerias para que mulheres recebam oportunidades e o apoio necessários para o sucesso e mudança do status quo”.

Mais lidos

Compartilhar
Editoriais
  • Aceleração
  • Cases
  • Corporações
  • Cultura de inovação
  • CVC
  • D4S
  • Ecossistema e conexão
  • Estratégias
  • Eventos
  • Ferramentas e processos
  • Governança
  • Hubs
  • M&A
  • Partnership
  • Programas
  • Squads
  • Startups
  • Techboard
  • Tecnologia
  • Tendências
  • Transformação Digital

Posts recomendados

Acesse o blog arrow