arrow Voltar
Liderança inovadora: o que é e quais são as principais características?

Liderança inovadora: o que é e quais são as principais características?

Papéis de liderança podem conter diferentes características que variam de acordo com o objetivo da empresa e o perfil de cada profissional. Contudo, uma das características que tem sido considerada essencial para uma gestão com foco em crescimento e adaptabilidade ideal para navegar em cenários incertos é a liderança inovadora, já que esta envolve criatividade […]

29 de julho de 2022 5 min de leitura
time

Artigo atualizado 29 de julho de 2022

Papéis de liderança podem conter diferentes características que variam de acordo com o objetivo da empresa e o perfil de cada profissional. Contudo, uma das características que tem sido considerada essencial para uma gestão com foco em crescimento e adaptabilidade ideal para navegar em cenários incertos é a liderança inovadora, já que esta envolve criatividade para lidar com os problemas.

Neste artigo, vamos conhecer um pouco sobre este conceito e ver exemplos de como ele funciona na prática.

O que é um líder inovador?

A liderança inovadora é um estilo de liderança que envolve a aplicação de inovação e criatividade na gestão de pessoas e projetos. Líderes inovadores geralmente inspiram produtividade de novas maneiras e por meio de abordagens diferentes das que normalmente são usadas e adotadas.

A capacidade de aplicar a inovação é especialmente importante em tempos de incerteza, ambiguidade e risco, de modo que empresas e indústrias que frequentemente se deparam com essas situações podem se beneficiar com a contratação de líderes inovadores e criativos.

Outro elemento da liderança inovadora é a disposição de considerar um conceito ou abordagem diferente, o que pode ser um desafio para perfis tradicionais que preferem manter métodos testados e comprovados. 

Características de uma liderança inovadora

Resiliência

A primeira coisa a entender quando falamos de inovação é que ela não é uma linha reta. Inovar passa por frustrações, percalços e inúmeros erros até o produto final. Ter resiliência frente a todas as adversidades é fundamental para o processo.  Quando um erro acontece e você precisa dar dois passos para trás, já não será mais o mesmo de antes, seu erro servirá de aprendizado também. 

E, além de ser resiliente, é essencial dar suporte aos colaboradores do seu time no processo de inovação de cada um deles. Eles precisam sentir que estão em um lugar seguro para cometer erros, aprender com eles e prosseguir.

Foco na gestão de pessoas

Grande parte do trabalho de um líder inovador é tirar o melhor de cada integrante do time.

Tento trazer um foco muito grande na gestão de pessoas, e fazer isso não dá trabalho, mas é o trabalho. Minha função enquanto CEO e gestor é servir os outros. Muitos focam nos processos e esquecem que para lidar com dores, precisam lidar com a função de gerir pessoas”, diz André Florence, CEO e co-fundador da Alice.

Talita Lacerda, CEO da Petlove&Co, concorda com a visão: “Acredito que a principal habilidade esteja em conseguir trazer à tona a potência de cada pessoa. Estruturar processos que viabilizem isso é um primeiro passo, mas o que faz a diferença é a cultura e a autonomia que os times têm para aprender, errar e encontrar soluções. O papel do líder é destravar os “nós” para que isso aconteça de forma fluida e escalável”, diz. 

Empatia

Segundo David Laloum, COO do Distrito, um líder inovador precisa, além de todas as características já mencionadas, ter empatia pelos colaboradores que gerencia. Para isso, é importante que o líder entenda o histórico social das pessoas com quem trabalha.

Muitas vezes acreditamos que para inovar precisamos inventar algo novo, mas a verdade é que a inovação nasce da resolução de uma dor do cliente. Para isso, é preciso empatia.

A inovação é o resultado e a consequência natural de ter em mente os interesses das pessoas que você atende.  A empatia torna você um inovador melhor, porque se você olhar para os produtos de maior sucesso no mercado, verá que vêm com a capacidade dos inovadores de atender às necessidades não atendidas e não articuladas dos clientes. Ou seja, através do exercício da empatia.

Acredito que as duas principais habilidades que um liderança deve ter são empatia e a capacidade de ouvir o outro e entender as suas dores”, diz Mariana Dias – CEO e co-fundadora da Gupy. “ A maioria das inovações nascem de problemas que precisamos solucionar, mas os problemas não têm o mesmo peso para todo mundo. Cada ponto de vista é a vista de um ponto, por isso é importante ter empatia para compreender como as pessoas se sentem, e realmente ouvir o que elas têm a dizer”.

Agilidade e aprendizado

O mundo dos negócios está em movimento constante e as mudanças acontecem enquanto você ainda está tomando conhecimento da transformação anterior. 

A característica marcante de uma liderança inovadora é a capacidade de aprender, transferir o conhecimento para o dia a dia de trabalho e ainda compartilhar o aprendizado com seus liderados. Essa agilidade é essencial para que o seu time esteja à frente do mercado, permitindo que a inovação que estão promovendo chegue primeiro.

Isabella de Avila, Analista de Diversidade e Inclusão do Distrito, reforça que é importante aprender e agir de acordo com os desafios que nos são impostos, como por exemplo a pandemia, que nos fez olhar com mais cuidado para o próximo. Além disso, essa situação oportuna deu espaço  para debates sobre saúde mental e diversidade. Isabella enfatizou ainda que os líderes inovadores são aqueles que conseguirão manter as discussões sobre esses temas presentes na empresa, mesmo pós-Covid.

Imaginação e comunicação

O líder inovador precisa de uma imaginação poderosa e excelentes habilidades de comunicação. Esse profissional também precisa ter confiança em sua equipe e sua capacidade de trabalhar em conjunto para alcançar esse sonho.

O líder inovador não é um microgerente. Ela se concentra no quadro geral e trabalha com pensadores criativos que podem adicionar a essa visão e torná-la maior. Os microgerentes, por outro lado, tendem a sufocar a criatividade e se concentrar demais nos detalhes – fazendo com que eles e suas equipes percam de vista o quadro geral.

Nesse aspecto, David Laloum concorda que modelos de lideranças mais modernas e disruptivos evitam o micromanagement, uma vez que se for possível distribuir o poder dentro da empresa, é notável a autonomia difundida e o contorno da necessidade de monitorar o trabalho de cada colaborador.  

Talvez mais importante, o líder inovador precisa ser capaz de comunicar sua visão e gerar entusiasmo por ela. Sua equipe precisa ser capaz de compreender qual o caminho a seguir e estar disposta a investir tempo e recursos para fazê-la acontecer. Os líderes inovadores sabem que a liderança por demanda é muito menos eficaz em incentivar a criatividade e a inovação do que a liderança por meio de motivação e inspiração.

Cultura inovadora

A cultura organizacional está sempre relacionada às normas e aos valores da empresa, que moldam os comportamentos de seus funcionários. A cultura de inovação, por sua vez, é o tipo de cultura caracterizada pelos comportamentos inovadores de toda uma equipe. Em vez de submeter a inovação a uma área específica, é importante que ela esteja intrínseca ao modus operandi da empresa para que todos possam atuar de forma inovadora. 

Segundo Talita Lacerda, para a sua empresa, a inovação é um pilar da cultura. É um dos nossos valores e está presente no nosso dia a dia. Cada time, dentro de seu escopo, busca constantemente formas de trazer mais saúde e bem-estar para o pet e encantar e surpreender o tutor. A inovação é uma consequência dessa busca”, afirma. 



Posts recomendados

Acesse o blog arrow