arrow Voltar
Como criar do zero a sua startup dicas e passo a passo

[GUIA] Como criar a sua startup: dicas e passo a passo

Você sabe que tem um perfil empreendedor. Acredita que é possível mudar processos burocráticos por meio de inovação e tecnologia. Teve uma ideia que considera aplicável e acredita que ela pode ajudar muitas pessoas, mas não sabe por onde começar a colocá-la em prática? Fique tranquilo, founders que hoje lideram importantes startups com grandes cases […]

8 de fevereiro de 2021 6 min de leitura
time

Artigo atualizado 8 de fevereiro de 2021

Você sabe que tem um perfil empreendedor. Acredita que é possível mudar processos burocráticos por meio de inovação e tecnologia. Teve uma ideia que considera aplicável e acredita que ela pode ajudar muitas pessoas, mas não sabe por onde começar a colocá-la em prática?

Fique tranquilo, founders que hoje lideram importantes startups com grandes cases de sucesso, também tiveram dúvidas sobre por onde começar a sua jornada de intenso trabalho em busca de transformações tecnológicas por meio do empreendedorismo.

Para que você não desista da ideia de colocar no mercado a sua própria startup e começar, o quanto antes, a solucionar dores existentes na sociedade, este artigo pretende, de forma didática e com dicas de fácil execução, te mostrar quais são os primeiros passos que você precisa dar para conseguir concretizar a viabilização da sua ideia e, num futuro próximo, ter sua comunidade bem estruturada e gerando bons resultados.

Pegue papel e caneta e anote tudo, porque você está cada vez mais perto de iniciar sua caminhada rumo ao disruptivo ecossistema de startups que não param de revolucionar o mercado e impactar pessoas.

1. Ideação

Para começar, filtre suas ideias e tenha bem definido qual é o seu principal produto/ serviço, ou solução inicial. O primeiro passo é conhecido como fase de ideação. Nesse momento, é importante avaliar se sua ideia será válida. Para isso, há dois pontos importantes que precisam ser levados em consideração: o fit de mercado e a resolução de problemas. 

O conceito fit de mercado aplicado às startups significa dizer que o produto/ serviço ofertado atende as demandas existentes dos futuros clientes. Neste momento você deve estar pensando que, sim, sua ideia atende a uma necessidade do mercado, agora, a próxima pergunta a ser respondida é: minha solução resolve o problema dos meus potenciais clientes?

Se pergunte o seguinte: quais são os produtos/ serviços que eu assino atualmente? Pois, para contratar serviços pagos, certamente eles te facilitaram a vida de algum jeito, não é mesmo? Então, esse é o ponto, com a sua ideia não pode ser diferente. Tenha em mente: soluções de sucesso resolvem grandes problemas de seus clientes.

2. Validação

Bom, agora que você já sabe que, para sua ideia dar certo, é necessário que exista demanda de mercado para a sua inserção e sua existência precisa solucionar dores existentes que ainda não estão sendo sanadas, o próximo passo é validar seu produto/ serviço. Como fazer isso? Muito simples. Converse com seus potenciais clientes. Essa é uma atitude fundamental para o pontapé inicial ser mais assertivo. 

Por que conversar com potenciais clientes é tão importante? Bom, é comum que futuros empreendedores muito empolgados com o grande passo que planejam dar, se apaixonem por sua ideia, tomem como base suas experiências pessoais e tornem sua futura solução uma dor de mercado a ser tratada, ao idealizar um cenário que não está tão propício assim. Por isso é essencial que você, pessoa que planeja criar uma startup, se certifique com uma base grande de potenciais clientes com o perfil que deseja atender, se essa demanda existe mesmo, faça isso através da validação por meio de boas conversas, mas ainda não é a hora de vender seu produto/ serviço. 

Aliás, além de confirmar a demanda, você também deve aproveitar essa iniciativa para descobrir pontos a melhorar dentro do seu planejamento. Esteja aberto a feedbacks, preste atenção às sugestões do que aparentemente funciona e o que precisa ser revisto. Investigue bem o seu público alvo, isso facilitará o encaixe ao mercado e a adesão de usuários. Para sua startup dar certo, é fundamental que sua solução atenda às demandas de clientes reais.

3. MVP

Com a validação finalizada, chegou a hora da execução. Mas como começar a implementar a solução no mercado? Startups de sucesso usam o método MVP (Minimum Viable Product, ou em português, Mínimo Produto Viável). Em empreendedorismo, principalmente no contexto de startups, MVP é a versão mais simples de um produto/ serviço que pode ser lançado com uma quantidade mínima de esforço e desenvolvimento. A estratégia é lançar rápido e barato, mas sem deixar de exemplificar como a solução pretende resolver a dor do cliente, essa fase também é conhecida como job to be done.

Por exemplo, vamos supor que você deseja comercializar bolos e já validou que sua solução é uma demanda do mercado, para o seu MVP o ideal é que cupcakes sejam preparados, ao invés de entregar ao cliente a massa ou o recheio separadamente. Assim, o público alvo experimenta a qualidade do seu produto sem que você gaste muito tempo e recursos para proporcionar essa amostra. Dedique tempo para analisar e entender os feedbacks que essa primeira versão receberá, é normal muitas mudanças serem necessárias, são essas melhorias mais certeiras e específicas que diminuem a chance de imprecisões na hora de lançar oficialmente. 

Para o experimento de MVP realmente surtir efeito e as reformulações levarem ao aperfeiçoamento necessário, é preciso entender o ciclo do teste. São eles: 

Construir: você precisa entregar soluções rapidamente, mas sem deixar de lado o job to be done da sua solução;

Medir: após testar com clientes reais, acompanhe suas respostas e sugestões de melhorias, para trabalhar nas correções;

Aprender: retire os aprendizados e organize começando pelas melhorias consideradas mais prioritárias por seus potenciais clientes. Seguramente, respeitando o ciclo de planejamento, você estará preparado para colocar na rua a primeira versão completa do seu produto/ serviço. 

4. Encontrando o co-founder certo

O produto/ serviço já foi definido, validado e testado e você tem certeza do que quer fazer, mas sabe que suas expertises não completam todas as áreas de administração de uma startup. E agora, como estabelecer tudo o que planejou? Nesse momento, uma certa insegurança é natural, mas não deixa que ela te pare. Se sua intenção é formar uma comunidade forte e unida em prol de uma única missão, comece pelo co-founder certo.

Escolher o sócio ponderando habilidades complementares às suas é a decisão mais acertada para a sua startup se destacar no mercado, alcançando, assim, os resultados que deseja. Essa pessoa estará ao seu lado no dia a dia, dividindo as responsabilidades e tomadas de decisões, então, também é muito importante que exista uma ótima sinergia entre vocês. Antes de se decidir por alguém, avalie se esse profissional se enquadra nas três características a seguir, se a resposta for sim, vá em frente, essa parceria tem tudo para dar certo. 

Entender o nicho: pensando no sucesso da startup, é indispensável que o sócio que você busca entenda sobre o ramo de atuação da empresa, essa experiência dará a vocês uma visão mais analítica e estratégica do mercado, e os próximos passos serão decididos com mais confiança para aproveitar boas oportunidades;

Skill complementar: como dito anteriormente, é interessante para a sua startup que as habilidades de vocês se complementem, expertises diferentes que, juntas, somam forças e conhecimentos rumo à implementação mais precisa do produto/ serviço no mercado. Avalie o que agregará mais nessa fase inicial antes de eleger seu co-founder;

Combinação de papéis: todos os tópicos relacionados a essa sociedade precisam estar muito bem acordados. Alinhe qual será o grau de responsabilidade de co-founder, qual será o percentual desse profissional na participação e potencial diluição em rodadas de investimento e defina os valores que essa pessoa receberá, seja por mês ou em uma venda. 

Já decidiu quem será o seu ou sua co-founder e essa pessoa atende aos requisitos para uma sociedade harmoniosa e que agregue valor? Muito bem! Essa segurança na tomada de decisões é bem importante para uma execução assertiva da sua solução.

Seguir esse passo a passo inicial é a fórmula que garante mais segurança para um resultado satisfatório no futuro. Estudo, planejamento, trabalho duro e acompanhamento serão sempre suas bases principais como empreendedor. Mas, para criar sua startup e ter êxito nessa empreitada, há muito mais a ser feito. Ficou curioso para descobrir os próximos passos para conseguir tirar a sua ideia do papel e tornar sua solução real, inovadora e promovendo mudanças de atitude que facilitem a vida do maior número de pessoas? Se liga na próxima dica. 

10 passos para criar a sua startup

O programa Distrito For Startups elaborou o e-book 10 passos para criar a sua startup para te incentivar a iniciar o planejamento e criação do seu negócio com mais segurança. Neste guia, foi organizado um passo a passo de criação de uma startup com base em cases de sucesso do mercado para a sua solução sair do campo das ideias e se tornar parte do ecossistema, com a intenção de mitigar os riscos de uma má execução. 

Baixe o conteúdo gratuitamente e tenha acesso a informações e dicas para cuidar das finanças da startup, seja para precificar sua solução ou ter um fluxo de caixa. A importância de definir KPIs também é assunto deste guia.  

Outros pontos que não poderiam ficar de fora quando o assunto é a criação de uma startup são o branding, estratégias de lançamento e crescimento para tornar a empresa ainda mais conhecida. E não menos importante, abordamos também os dois tipos de pitches, o comercial e de investimentos, com dois roteiros que vão te ajudar a conquistar mais pessoas. Não entendeu muito bem os temas citados acima e quer seguir os próximos passos depois da escolha do co-founder? Todos os tópicos necessários para criar sua startup até o negócio alcançar maturidade suficiente estão explicados em detalhes no e-book. Aproveite! 

10 passos para criar a sua startup

Saiba mais sobre o Distrito For Startups

O Distrito for Startups é um programa de desenvolvimento contínuo de startups que tem como objetivo auxiliar na superação de todos os desafios da gestão, e ser ponte entre a startup e a maior comunidade virtual de startups do país.

Ele te conecta a soluções inovadoras e uma tecnologia de ponta, através de mentorias onlines com diferentes mentores a sua escolha ou com um dos Community Managers do Distrito, participação em eventos, conexão direta com corporates e universidades, treinamento de pitch para investidores, acesso a conteúdos e workshops exclusivos, validação de processos e descontos em ferramentas. Além de hubs de inovação que te conectam com diferentes empreendedores e diversas oportunidades.

Posts recomendados

Acesse o blog arrow